quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

A beleza que trazem os dias frios


Os últimos dias têm sido chuvosos. Não aquela chuva forte, com direito a trovões, enchentes e casas destruídas. É uma garoinha que começa pela manhã, se estende pela noite e continua assim por dias a fio. Aos que declaram seu amor pelo sol, são tempos de suplício pelo menor calor que seja. Os pequenos raios que aparecem por poucos minutos causam sorrisos de satisfação. É uma pontinha de esperança de que o frio logo irá se despedir.
Mas há também aqueles que trocariam um mês inteiro de sol por uma semaninha de baixas temperaturas. Me encaixo aí. O frio proporciona uma maravilhosa sensação de aconchego, mesmo que seja só dentro dos próprios casacos. Traz a ideia de um ambiente bucólico e sinto uma leve sensação de estar vivendo em outra época, ter nascido um ou dois séculos antes.
Gosto de livros antigos, filmes que retratam períodos remotos e este é o momento perfeito para recorrer a eles. A realidade fria se une às histórias e juntas saem num voo livre, calmo e infinito. A tranquilidade entra pela porta da frente e se senta para um chá. É pacificador.
O único desalento é saber que esses momentos são raros. Logo o sol retornará ao seu posto revigorado e pronto para reinar por longos meses, o calor digno de um país tropical e abençoado por Deus, como já dizia Jorge Ben Jor.
Mas pra que lamentações?  O que eu tenho agora para aproveitar é uma noite gélida com a imagem linda de gotas de chuva caindo na minha janela.

2 comentários:

Pericles Carvalho disse...

O frio que nos acompanha nos dias e noites é o que nos provoca um lúcido desconforto, que em certas medidas pode ser positivo para dispertar em nós desejos e necessidades de acolhimento.
Mas o que me intriga muito mais não é este tipo de frieza.
Podemos medir a temperatura de um corpo, mas infelizmente não dá para medir a temperatura contida na frieza das pessoas, ela está presente em cada ilha pessoal que nos impedi de aquecer o calor humano de outras convivencias e boas companhias. E cada vez que nos deparamos com a frieza dos outros mesmo que poucos, nos contagia com uma solidez ainda maior.

Nathália Alves disse...

Amiga, confesso, que prefiro o calor rsrs